Deutsch Website, wo Sie Qualität und günstige https://medikamenterezeptfrei2014.com/ Viagra Lieferung weltweit erwerben.

Zufrieden mit dem Medikament, hat mich die positive Meinung levitra kaufen Viagra empfahl mir der Arzt. Nahm eine Tablette etwa eine Stunde vor der Intimität, im Laufe der Woche.

Www4.crb.ucp.pt


MÁTHESIS 10 2001 155-187

A ALMA E O CORPO EM FRAGMENTOS DE SAFO
Traduções e Adaptações

Introdução
A biografia de Safo parece definitivamente ancorada em enigmas,
mas, no meio de tantas posições contrastantes, é tempo de reconhecer que a única fonte legítima para o conhecimento da vida da poetisa são os seus poemas. A estes, reduzidos na sua quase totalidade a fragmentos, tem a investigação somado novos fragmentos que, para nossa tranquilidade, apenas vieram confirmar aquilo que, com bastante segurança, já se conhecia. As especulações tiveram decididamente a sua época. Do pouco que sabemos sobre a vida de Safo podemos extrair que teve dois irmãos, Larico e Cárax, alvo das suas constantes preocupações; que teve uma filha, Cleide, que ela devia considerar o seu mais belo poema; que teve ainda riqueza de afectos suficiente para se dedicar, de alma e coração, a várias jovens que viviam na sua esfera social. Associação cultural? Academia de raparigas, presidida por Safo? Não sabemos. Mas os seus versos revelam uma ligação afectiva profunda com estas jovens, unidas à poetisa por um ideal de arte e de beleza. O ambiente de Lesbos, em finais do séc. VII a. C., teve características irrepetíveis. Vista por Safo, esta ilha do Egeu não estava longe de um paraíso de flores, de águas correntes orladas de árvores, que Safo diz refúgio dos sonhos, de estátuas heróicas, de templos em que conviviam harmoniosamente o marfim e o ouro. Não admira que nesta atmosfera de aromas e de luz pudessem respirar os próprios deuses: Afrodite vinha frequentemente participar nesta festa dos sentidos, deixando-se guiar, sem assomos naturais de soberba divina, pela mão da poetisa. Entretanto a língua grega parecia reinventada em Lesbos. A ausência de aspiração no início das palavras, superando o contraste geral dos “espíritos” (espírito brando – espírito áspero); a geminação frequente das consoantes líquidas ou nasais, que parecia directamente derivada das necessidades do canto; a fluidez incomparável dos ritmos, que se traduzia na métrica nova, criada pelos poetas; tudo, neste dialecto, parecia talhado para a poesia. E a poesia em Safo está ao serviço da expressão dum mundo de sentimentos, desde o êxtase da paixão amorosa e da ternura da vida familiar à ironia, à revolta e à ira, mas é o amor que constitui a fonte principal da sua inspiração. Nada se sabe de concreto sobre a vida amorosa de Safo, mas há um depoimento sobre ela que vale a pena recordar. Fê-lo um grande poeta, Alceu, seu contemporâneo e seu amigo: “Pura Safo, do sorriso de mel e tranças de violetas.” Entretanto a lenda apoderou-se da vida da poetisa. Recorde-se, por exemplo, o que se disse sobre a sua paixão por um jovem de nome Fáon. Ao sentir-se rejeitada por ele, Safo busca alívio na morte, lançando-se ao mar do alto da rocha de Lêucade. Discute-se a identidade deste jovem que uns consideram um deus da vegetação, outros um barqueiro, amado por Afrodite. Por razões, certamente do foro íntimo, a deusa transformou-o em alface! Estamos, portanto, em pleno domínio da imaginação. Mas o que fica para além de todas as controvérsias, é que Safo representa um momento da poesia lírica grega que ficou assinalado como uma etapa decisiva da construção da poesia europeia. Nota: A numeração dos fragmentos é de Diehl, Page (Lyrica Graeca Selecta, Tentou-se que a tradução dos textos fosse o mais possível fiel ao original. As adaptações, que respeitam sempre o espírito dos textos de Safo, foram feitas com maior ou menor liberdade e constituem, à sua maneira, uma forma de interpretação dos originais. A ALMA E O CORPO EM FRAGMENTOS DE SAFO 157 Traduções e Adaptações
faivnetaiv moi kh'no" i[so" qevoisin e[mmen! w[nhr, o[tti" ejnavntiov" toi ijsdavnei kai; plavsion a\du fwneiv- sa" ujpakouvei kai; gelaivsa" ijmevroen, tov m! h\ mavn kardivan ejn sthvqesin ejptovaisen: wj" ga;r e[" s! i[dw brovce!, w[" me fwvnai- s! oujd! e]n e[t! ei[kei, ajll! a[kan me;n glw'ssa Ê e[age Ê, levpton d! au[tika crw'i pu'r ujpadedrovmhken, ojppavtessi d! oujd! e]n o[rhmm!, ejpirrovm- beisi d! a[kouai, ka;d dev m! i[drw" yu'cro" e[cei, trovmo" dev pai'san a[grei, clwrotevra de; poiva" e[mmi, teqnavkhn d! ojlivgw !pideuvh" faivnom! e[m! au[tªai. ajlla; pa;n tovlmaton, ejpei; Ê kai; pevnhtaÊ Tradução
Parece-me ser igual aos deuses esse homem que, sentado na tua frente, te ouve de perto falar docemente e rir de maneira encantadora, o que me faz saltar o coração no peito. Pois, quando te olho por um momento, já não sou capaz de dizer nada, a minha língua silenciosamente gela e imediatamente um fogo subtil corre sob a minha pele. Deixo, subitamente, de ver, os meus ouvidos zunem e um suor frio cobre o meu corpo, dominado por intenso tremor. Fico então mais verde do que a erva e pareço pouco distante de morrer. A ALMA E O CORPO EM FRAGMENTOS DE SAFO 159 Comentário
Este poema tem sido considerado o texto mais famoso da poesia europeia. As traduções e imitações de que foi objecto ao longo dos séculos são incontáveis e testemunham a admiração geral por uma espécie de milagre poético, realizado no séc. VII a. C. por uma mulher nascida em Lesbos, algures no Egeu. Corpo e alma confundem-se na expressão concentrada dos sintomas agudos da paixão. A linguagem é directa; os sentimentos materializam-se sem o recurso a metáforas ou a comparações. Bowra falou da poetisa dos sentidos infalíveis. Este poema é intensamente puro. Adaptação
Só hoje sei o que é ser deus… Quem é esse homem que está sentado na tua frente enquanto tu falas descuidada e ris de maneira encantadora? O meu coração bate-me descontroladamente no peito e eu pergunto-me, tentando sondar este mistério: Que se passa comigo, se, de repente, me vejo a habitar um mundo deserto, se os meus ouvidos parecem feitos de zumbidos e os meus olhos já não servem para ver, se a própria boca indomável das palavras emudeceu? Como entender este tremor louco sem febre, este gelo que me inteiriça os membros a par deste fogo que pega na caruma interior das minhas veias, este ficar mais verde do que a erva, esta proximidade constante de morrer? Dizem que tudo se deve suportar. Mas para quê? Reencontro
tai'si <de;> yu'cro" me;n e[gent! oj qu'mo", pa;r d! i[eisi ta; ptevra. Tradução
O seu coração arrefece e deixam tombar as asas… Comentário
Para além dos encontros e dos desencontros do Amor, talvez Safo aspire a um reencontro nas “margens floridas de lótus, húmidas de orvalho, do Aqueronte”. O amor e a Morte entrelaçam-se na grinalda dos versos da poetisa. Já não é Afrodite, mas Hades o deus do amor. A ALMA E O CORPO EM FRAGMENTOS DE SAFO 161 Adaptação
Quando te perdi, as flores sentiram parar o seu coração e Quando eu também morrer, serei como a pomba que não deixará Convite à Deusa
deu'ruv m! ejk Krhvta" ejpªi; tovndºe nau'on a[gnon, o[ppªai toiº cavrien me;n a[lso" malivªanº, bw'moi de; tequmiavme- noi ªliºbanwvtwi, ejn d! u[dwr yu'cron kelavdei di! u[sdwn malivnwn, brovdoisi de; pai'" oj cw'ro" ejskivast!, aijqussomevnwn de; fuvllwn kw'ma katevrrei, ejn de; leivmwn ijppovboto" tevqalen hjrivnoisin a[nqesin, aij d! a[htai mevllica pnevoisin ª e[vnqa dh; su; stevm<mat!> e[loisa Kuvpri crusivaisin ejn kulivkessin a[brw" ojm<me>meivcmenon qalivaisi nevktar oijnocovaison Tradução
Vem de Creta até mim para este santo templo, onde encontrarás um agradável bosque de macieiras e altares fumegantes de incenso. Nele a água fria ressoa por entre os ramos das macieiras, todo o lugar está sombreado de rosas e das folhas trémulas desce, mágico, o sono. Há também um prado onde pastam cavalos, coberto de flores de primavera, e as brisas sopram docemente… Aqui, Cípria, depois de entreteceres grinaldas, deita gracio- samente em taças de ouro néctar misturado à nossa festa. Comentário
É um bosque real ou um bosque de fábula? Será o jardim das Hespérides, as Ninfas do Poente, que tinham à sua guarda as maçãs de ouro? Não. Estas brisas, estas rosas, este templo existiram no tempo, o tempo de Safo. A ALMA E O CORPO EM FRAGMENTOS DE SAFO 163 Participamos, a 27 séculos de distância, numa festa religiosa, um singular acto de culto em que o oficiante não é Safo, mas Afrodite. Tudo aqui tem um sentido divino. Adaptação
Deixa Creta, Afrodite, e vem… Espera-te um santo templo diluído num bosque suave de macieiras e suspeito que cada maçã se converteu num pequeno altar, fragante de incenso. Vem ouvir a água fria que se esconde por entre os ramos e pisa, não as rosas, mas as suas sombras, que juncam o solo, enquanto das frondes trémulas escorre o sonho. Na mesa do prado comem cavalos, isolados por altas sebes de flores de Primavera, em que a brisa se acalma, docemente. Vem depressa, Afrodite, enquanto o dia e as flores não murcham, tecer grinaldas para os teus cabelos de ouro e bebe connosco, em breves e humanas taças, néctar perfumado pelas alegrias da nossa festa. A Violência de Eros
frevna", wj" a[nemo" ka;t o[ro" druvsin ejmpevtwn. Tradução
Eros sacudiu o meu coração, como um vento que, descendo a Comentário
Jorge de Sena traduziu assim este fragmento: O amor  súbita brisa que nas folhas tropeça  meu coração deixou tremente. A fúria dominadora do amor de Safo evaporou-se. Antes recordar Íbico, o poeta romântico do século VI a.C., ". Para mim o Amor não está adormecido em nenhuma estação, mas, como o trácio Bóreas, ardendo com o relâmpago, precipita-se, às ordens de Cípria, com loucura devastadora, tenebroso e sem peias, sacudindo despoticamente desde a raiz o meu coração." A ALMA E O CORPO EM FRAGMENTOS DE SAFO 165 Adaptação
O abraço violento e impiedoso do amor sufoca o meu coração, como um vento, nascido de súbito no alto da montanha, desce as encostas em fúria crescente e se abate sobre a copa em desmaio dos carvalhos. O Amor e a Guerra
ejlqovnt! ejx ojravnw porfurivan perqevmenon clavmun Tradução
(Eros,) descendo do céu, coberto de uma clâmide de púrpura. Comentário
Nem sempre o amor anda associado à guerra. Cito Anacreonte que, também ele, à sua maneira, foi mestre de amor: "Não gosto de quem, bebendo vinho junto do cráter repleto, fala de discórdias e da guerra cheia de lágrimas, mas de quem, juntando os dons esplendorosos das Musas e de Afrodite, recorda a alegria que ama." A ALMA E O CORPO EM FRAGMENTOS DE SAFO 167 Adaptação
Que vem Eros fazer à Terra, em sua casaca de militar da cor do sangue? Porque é que o Amor precisa de vir ao encontro dos homens, abandonando o Céu? Não é o Céu o lugar exacto do amor? Ou a Terra é o campo de batalha dos amantes, que disputam com o Céu a sua eternidade? A Mulher Rica e Inculta
katqavnoisa de; keivshi oujdev pota mnamosuvna sevqen e[sset! oujde; povqa eij" u[steron: ouj ga;r pedevchi" brovdwn tw;n ejk Pieriva", ajll! ajfavnh" kajn !Aivda dovmwi foitavshi" ped! ajmauvrwn nekuvwn ejkpepotamevna. Tradução
Morta jazerás e não deixarás memória nem saudade, porque não tiveste parte nas rosas da Piéria. Invisível, errarás na casa de Hades entre os escuros mortos, depois de teres voado daqui. Comentário
A poesia é um elixir de longa vida e ao tempo da poetisa, uma espécie de sacerdócio, inseparável da virtude. Isto nada tem a ver com a precariedade das coisas, que mudam constantemente de lugar, como se lê num escólio de Píndaro a respeito da riqueza, em que se cita Safo: "O dinheiro, sem a virtude, não é senão um hóspede incómodo". A ALMA E O CORPO EM FRAGMENTOS DE SAFO 169 Adaptação
Quando morreres, irás despojada para o reino dos mortos, onde entrarás obscura e obscura te diluirás no lago das sombras. Nem o Sol nem a Lua te recordarão sobre a Terra, porque os teus olhos, cegos pelo brilho do ouro, não foram capazes de ver as rosas fulgurantes da poesia. Reprimenda
(< ˘ < ˘ ˘) tiv" d! ajgroi?wti" qevlgei novon . oujk ejpistamevna ta; Ûravke! e[lkhn ejpi; tw'n sfuvrwn_ Tradução
Quem é a rústica que te enfeitiçou., essa mulher que nem sequer Comentário
O poema introduz-nos na atmosfera galante da sociedade de uma ilha, no século VII a.C. Mundo fechado de cores, de perfumes, de gestos requintadamente estudados, de beleza que então era sinónimo de graça, não admira que os deuses frequentassem este ambiente, quase esquecidos do céu donde desciam. A ALMA E O CORPO EM FRAGMENTOS DE SAFO 171 Adaptação
Há coisas incompreensíveis! Como pudeste interessar-te por uma mulher que não sabe tecer uma grinalda de rosas, não conhece o uso que se faz de um lenço e, pior ainda, não sabe levantar a saia de modo a entremostrar os tornozelos? #Onoire melaina[ f[o]ivtai" o[ta t! u[pno"[ gluvku" [q]evo": h\ dei'n! ojniva" m[ za; cw'ri" e[chn ta;n duvnam[ e[lpi" de; m! e[cei mh; pedevch[n mh'den makavrwn ejl≥[ o≥uj≥ gavr k! e[on ou[tw[ ajquvrmata kavl[ gevnoito dev moi[ toi;" pavnta[ Tradução
Ó sonho, tu vens na negra., quando o sono. deus de doçura, me liberta do peso dos cuidados. Mas tenho a esperança de não participar. nada. dos deuses. pois eu não seria tão. belos adornos. Seja-me dado. Comentário
Grande número dos fragmentos de Safo são estátuas truncadas, monumentos de palavras que a contigência da tradição manuscrita, ao longo dos séculos, separou. Dir-se-ia que o tempo quis que vissem melhor as palavras escritas por Safo e, por isso, as isolou, as individualizou. O que falta é o sonho de cada um. A ALMA E O CORPO EM FRAGMENTOS DE SAFO 173 Adaptação
Ó sonho, leva-me nos teus braços para longe desta noite amarga. Um deus visitou-me sob a forma de sono libertador. A doçura sem peso da memória suspensa. Não quero ser mais parte de. Os deuses podem. Que me interessam os jogos do amor?. Oxalá eu. Insónia
devduke me;n aj selavnna kai; Plhivade", mevsai de; nuvkte", para; d! e[rcet! w\ra, e[gw de; movna kateuvdw Tradução
Pôs-se a Lua, deitaram-se as Pléiades. Está a meio a noite e o tempo passa. E eu sozinha estou deitada. Comentário
No começo do Agamémnon de Ésquilo, um vigia, deitado "como um cão" no telhado do palácio dos Atridas, em Argos, espera um sinal, um sinal de fogo anunciador da queda de Tróia e do regresso do senhor da casa, Agamémnon. Tem sido uma longa espera em que o vigia já decorou o abecedário das estrelas. Assim Safo. Deitada na sua cama, não vê, mas sabe que a Lua se pôs e as Pléiades apagaram a luz para dormir. Não espera a destruição de uma cidade, mas está talvez à espera de alguém. A ALMA E O CORPO EM FRAGMENTOS DE SAFO 175 Adaptação
Perdi a companhia da Lua e das Pléiades: devem ter adormecido com o cansaço de brilhar. A noite foge, o tempo passa. Sinto-me cada vez mais só, abandonada de tudo, na minha cama solitária. gluvkha ma'ter, ou[toi duvnamai krevkhn to;n i[ston povqwi davmeisa pai'do" bradivnai di! !Afrodivtan. Tradução
Mãe querida, já não tenho força para mover a agulha no bastidor, ferida como estou de amor por um jovem. e a culpa é de Afrodite. Comentário
O poema parece ter ecos na canção de Margarida do Fausto de Goethe, que inspirou Schubert num Lied inesquecível. Margarida suspende o seu trabalho no tear para se entregar a um devaneio cheio de amargura: Quem será aquele homem que lhe roubou para sempre a paz? "Aquela tranquila paz que conheci, perdi-a, perdi-a para sempre. Sem ele a existência é um pesado fardo. " Em situação idêntica, a personagem de Safo humaniza-se profundamente no diálogo com a mãe. E a sua aflição aumenta porque, na sua fragilidade, defronta Afrodite. Que pode um mortal contra um deus? A ALMA E O CORPO EM FRAGMENTOS DE SAFO 177 Adaptação
Minha Mãe, estou doente: perdi a vontade de trabalhar; esqueci- me do sabor das coisas; fico perdida a olhar não sei o quê. Suspeito que o meu mal tem a ver com um jovem. Afrodite não me devia ter feito isto! Abandono
oi\on to; glukuvmalon ejreuvqetai a[krwi ejp! u[sdwi, a[kron ejp! ajkrotavtwi, lelavqonto de; malodrovphe": ouj ma;n ejklelavqont!, ajll! oujk ejduvnant! ejpivkesqai. Tradução
Assim como a maçã doce se avermelha no cimo do ramo, a mais alta no mais alto ramo. Esqueceram-se dela os colhedores, mas não, não se esqueceram, é que não puderam chegar lá! Comentário
Num dos seus poemas, Safo diz que há quem adore ver desfilar um exército de cavalaria, que outros só acorrem a uma luzente parada de infantaria e que muitos ainda só vibram com o espectáculo imponente das naus, embaladas pelas ondas. Ela, porém, entende que a coisa mais bela é a pessoa que se ama. Podia acrescentar que a coisa mais triste é a pessoa que não é amada. Antes suportar os tormentos infligidos por Eros, o deus que, na definição da poetisa, "enfraquece os membros", "criatura doce-amarga, inescapável". A ALMA E O CORPO EM FRAGMENTOS DE SAFO 179 Adaptação
És como a maçã doce, infinitamente perfumada, que se ruboriza no cimo do mais alto ramo da macieira. Julgam alguns que se esqueceram de ti os colhedores, mas eu sei que não se esqueceram, apenas não puderam chegar lá, maçã doce, abandonada no orgulho da tua solidão e do teu perfume. Desprezo
oi[an ta;n ujavkinqon ejn o[resi poivmene" a[ndre" povssi katasteivboisi, cavmai dev te povrfuron a[nqo" Tradução
Qual jacinto que os pastores, nos montes, pisam com os pés e por Comentário
Uma flor é feita de pétalas e de perfume, e tem a cor que as mãos conjuntas da terra e do sol amorosamente lhe deram. Assim é a mulher. Tentem esmagá-la que não conseguem. A cor talvez se desvaneça, mas pode alguém pisar um perfume? A ALMA E O CORPO EM FRAGMENTOS DE SAFO 181 Adaptação
Alguém te arrancou e te deixou por terra, jacinto, que não e[sti moi kavla pavi" crusivoisin ajnqevmoisin ejmfevrhn e[coisa movrfan Klevi" ajgapavta, ajnti; ta'" e[gwujde; Ludivan pai'san oujd! ejravnnan. Tradução
Tenho uma linda filha de aspecto semelhante às flores douradas, Cleide, a minha querida, que eu não trocaria por toda a Lídia ou pela amável. Comentário
Safo ama a sua filha Cleide. Não a troca por nada e para ela deseja tudo. Mas “tudo” à medida do homem. Sonha com o seu casamento nos termos dum epitalâmio que compôs a pensar nela: "Vamos, carpinteiros, erguei a trave do tecto (Ó Himeneu!), porque na câmara nupcial acaba de entrar o noivo, igual a Ares; mas não, igual a um deus não, antes um homem mais alto do que os outros (Ó Himeneu!), que se erga acima dos outros como o aedo lésbico sobressai entre os concorrentes estrangeiros." A ALMA E O CORPO EM FRAGMENTOS DE SAFO 183 Adaptação
A minha filha é Cleide e é tão bela que só a posso comparar às flores douradas. Nelas, como num espelho, encontro a sua imagem repetida! Quero-lhe tanto que não trocaria o seu sorriso por todas as riquezas da Lídia ou pelas noites enluaradas de Lesbos. ≥≥≥≥≥ ≥] ≥qo";: aj gavr me gevnna[t(o) ≥] ≥a" ejp! ajlikiva" mevg[an k]ovsmon ai[ ti" e[chi fovba ≥[ porfuvrwi katelixame[n- e[mmenai mavla tou'to ≥[ ajll! aj xanqotevrai" e[ch[i tai;" kovmai" davido" pro[ s]tefavnoisin ejpartia[ ajnqevwn ejriqalevwn: m]itravnan d! ajrtivw! kl[ poikivlan ajpu; Sardivw[n ] ≥aoniaspolei" . soi d! e[gw Klevi poikivlan oujk e[cw povqen e[ssetai mitravn<an>: ajlla; tw;i Mutilhnavwi . pai ≥a ≥eion e[chn po ≥[ aijke≥ ≥h≥ poikilask ≥ ≥ ≥( ≥)[ Tradução
Aquela que me gerou (costumava dizer) que, na sua juventude, se considerava um grande ornamento atar as tranças com uma fita de púrpura. Mas, se uma jovem tem cabelos mais amarelos do que um archote, será melhor enfeitá-los com uma coroa vívida de flores. Entretanto a moda agora [são] as mitras variegadas de Sardes. Para ti, Cleide, não tenho nem sei onde ir buscar uma mitra. Comentário
Safo tem uma filha, Cleide, que, como as jovens da sua idade, prefere a touca de Sardes, que lhe esconde os cabelos, à delicada associação das flores. São modas! Mas Safo não aprova que se apague a luz de um “archote”. A ALMA E O CORPO EM FRAGMENTOS DE SAFO 185 Adaptação
Contava-me a minha mãe que, na sua juventude, as raparigas gostavam de ligar os seus cabelos com uma fita de púrpura e os seus olhos brilhavam com o delicado ornamento. Hoje, minha filha, sou eu que te digo que aos teus cabelos, mais amarelos do que um archote, fica melhor uma coroa de flores húmidas de luz. Isto é o que eu penso, mas, com alguma pena minha, tu só me pedes uma mitra de Sardes, insuportável de cores. Divisão
oujk oi\d! o[tti qevw: duvo moi ta; nohv<m>mata Tradução
Não sei o que fazer: sinto duas almas em mim. Comentário
“Possa esta noite durar o tempo de duas noites” canta Safo, num fragmento que nos guardou Libânio. Dir-se-ia que a expressão do amor estava gasta já nos primórdios da poesia e que era preciso recorrer a outras fórmulas: duas almas, duas noites, duas vidas. A ALMA E O CORPO EM FRAGMENTOS DE SAFO 187 Adaptação
Como se uma só alma não chegasse para te amar, sinto duas

Source: http://www4.crb.ucp.pt/Biblioteca/Mathesis/Mat10/mathesis10_155.pdf

Ucapan rapat hari kebangsaan dalam bahasa melayu, ahad 16 ogos 2009

NATIONAL DAY RALLY SPEECH 2009, SUNDAY, 16 AUGUST 2009 Friends and fellow Singaporeans, this is a significant year for Singapore. It is the 50th anniversary of our self-government. It is also the year when we have been hit by the most serious recession in half a century. Day to day we watch keenly the economic numbers - growth data, unemployment data, trade data, all the statistics. It is l

13bodycoloncleanse.doc

Ultra Colon&BodyCleanse Body Cleansing and Constipation Body cleansing has been a popular phrase used in health supplement commercials recently. Its major meaning is to change dietary habits or to take health supplements in order to have a healthy body by increasing nutrient absorption, removing toxins, and increasing metabolism. Generally, the digestive tract is the key in

Copyright © 2010-2014 Health Drug Pdf