Deutsch Website, wo Sie Qualität und günstige https://medikamenterezeptfrei2014.com/ Viagra Lieferung weltweit erwerben.

Zufrieden mit dem Medikament, hat mich die positive Meinung kamagra kaufen Viagra empfahl mir der Arzt. Nahm eine Tablette etwa eine Stunde vor der Intimität, im Laufe der Woche.

090305amedicacaoparafaltaart


Tratamento de Transtorno de Déficit de Atenção e
Hiperatividade nos Transtornos do Espectro Autista

Treatment of Inattention, Overactivity, and Impulsiveness in Autism Spectrum Disorders
Child and Adolescent Psychiatric Clinics of North America, Treating Autism Spectrum Disorders,
Volume 17, No 4.Publicado em Outubro de 2008.

Resumido por Dra. Rosa Magaly Morais e Rebeca Costa e Silva
O objetivo desse artigo é a revisão da bibliografia sobre medicamentos utilizados para
controlar o déficit de atenção, a impulsividade e a hiperatividade em crianças com
Transtornos Globais do Desenvolvimento (Transtornos do Espectro Autista,
Transtornos Globais do Desenvolvimento Não Especificados, Síndrome de Asperger).
A metodologia envolve a busca em sites de pesquisa especializados. Apesar do
predomínio na literatura de estudos não-controlados (relatos de caso, por exemplo), há
um crescimento do número de estudos controlados (com presença de grupo controle).
Só os artigos com um maior rigor metodológico foram considerados, ficando implícito
esse aspecto, quando referida a palavra estudo(s).
Os resultados selecionados pelos autores contemplam o uso de:
- Psicoestimulantes - Inibidores da recaptação de noroadrenalina - Antipsicóticos - Agonistas alfa-adrenérgicos - Antidepressivos - Ansiolíticos - Inibidores da colinesterase - Bloqueadores dos receptores N-metil-D-aspartato - Estabilizadores do humor/antiepilépticos Psicoestimulantes
Os psicoestimulantes, também conhecidos como simpaticomiméticos, incluem o
metilfenidato (Ritalina), a dextroanfetamina (Dexedrine), uma combinação de
ambos (Adderall) e a pemolina (Cylerg). Só o metilfenidato está disponível no
Brasil. Essas medicações são utilizadas no tratamento do Transtorno de Déficit de
Atenção e Hiperatividade (TDAH) e na narcolepsia (alteração no padrão do sono,
ocasionando, entre outras coisas, sonolência excessiva) primordialmente. Têm ação
estimulante no sistema nervoso central, aumentando a comunicação entre
neurônios, por meio da liberação de neurotransmissores específicos. Isso resulta
em diminuição da hiperatividade e impulsividade e no aumento do tempo e
qualidade da atenção. Os efeitos adversos mais comuns associados aos
psicoestimulantes são dor de estômago, perda de peso e insônia (dependente do
horário de administração). Há necessidade de acompanhamento da altura dos
pacientes, quando o uso é a longo prazo.
O uso de psicoestimulantes em pessoas com diagnóstico de autismo apresenta
resutados contraditórios e não há benefício generalizado. Em pessoas com
Transtornos Globais do Desenvolvimento (TGD) mais graves pode não haver
resposta terapêutica satisfatória. Os estudos selecionados demonstraram que
quanto maior o comprometimento cognitivo, menor o efeito dos psicoestimulantes
(por exemplo, a eficácia dos psicoestimulantes é maior em um portador da
Síndrome de Asperger do que em um indivíduo com grau mais severo de autismo).
Enfatizaram que "os estimulantes têm uma tendência a produzir respostas
altamente variadas em crianças com sintomas de TGD e de TDAH ". Advertem
que a prescrição deve ser iniciada com doses baixas, gradualmente aumentadas, e

que o tratamento deverá ser interrompido quando o perfil de efeitos adversos for
superior à melhora clínica.

Antipsicóticos
Os antipsicóticos são divididos em duas classes, de acordo suas
afinidades por neurorreceptotes: típicos (alta afinidade por receptores
dopaminérgicos) e atípicos (afinidade por receptores serotoninérgicos e
dopaminérgicos). Estes últimos apresentam um perfil de efeitos adversos
mais seguro, com redução das complicações neurológicas e uma eficácia
mais ampla sobre os sintomas psicóticos, tais como os delírios e as
alucinações (não obrigatoriamente presentes nos quadros de TGD). Os
antipsicóticos são utilizados no tratamento de episódios severos de
agitação e violência (inibidores das funções psicomotoras). Além disso,
sintomas de irritabilidade, falta de controle de impulsos e alteração no
padrão de sono respondem ao tratamento a curto prazo com antagonistas
dos receptores dopaminérgcos.
Típicos (ex: Haldol - haloperidol)

Têm efeitos positivos nos sintomas de agitação e hiperatividade, sendo mais
indicados quando sintomas específicos estão altamente acentuados (em outras
palavras, sintomas em um grau bem grave) em pacientes mais novos.
Atípicos (ex: Risperdal - risperidona
)
Obtiveram efeitos significativos e importantes nos sintomas de agitação e
hiperatividade, e os efeitos nos testes de atenção precisam ser reproduzidos, mas
sugerem uma melhora.

Agonistas alfa adrenérgicos
São usados pela psiquiatria para o controle de sintomas de abstinência a
determinadas drogas, para o tratamento de síndrome de Tourette (tiques vocais e
motores), supressão da agitação, comportamento agressivo e hiperatividade. Essas
medicações são utilizadas como opção ao uso dos psicoestimulantes para tratar
TDAH em pacientes com comprometimento cognitivo moderado ou grave. A
escolha dos agonistas alfa adrenérgicos visa diminuir a ocorrência de resposta
paradoxal na população com déficit intelectual resultante do uso do metilfenidato
(agitação e irritabilidade).
Clonidina (ex: Atensina
)
Dois estudos investigaram a clonidina para hiperatividade nos TGD, e segundo as
escalas preenchidas por pais e professores houve melhora significativa em relação
à a hiperatividade, porém essa melhora não foi observada na escala de avaliação
dos clínicos.
Guanaficina (ex: Tenex. Indisponível no Brasil
)
Outros dois estudos investigaram a guanaficina, e em ambos houve melhora nos
sintomas de TDAH, porém alguns participantes (quatro, do segundo experimento)
tiveram que interromper o tratamento devido à irritabilidade e agitação.

Antidepressivos
As duas principais classes de antidepressivos são os antidepressivos tricíclicos
(ADT) e inibidores seletivos de recaptação da serotonina (ISRS). São agentes de
primeira linha para tratamento de depressão, de transtornos obsessivo-
compulsivos e transtornos ansiosos. Os antidepessivos triciclicos podem também
ser utilizados no tratamento de dores crônicas, enurese (dificuldade de controle da
diurese) e TDAH. Foram os antidepressivos mais utilizados até a decada de 80.
Com o surgimento da fluoxetina, seguida pelos outros ISRS, os ADT tiveram seu
uso diminuido pelo perfil pouco favorável de efeitos adversos. OS ISRS são

utilizados também no tratamento de subtipos de transtornos alimentares e
transtornos multimpulsivos. Os efeitos adversos são múltiplos e dependem não só
da classe principal à qual estão realcionados, mas especificamente do
antidepressivo. Podem variar também em função da idade do paciente.
Antidepressivos Tricíclicos (ex: Amitril
)
Tiveram um bom efeito na hiperatividade de sujeitos com TGD. Porém de 12
sujeitos, dois tiveram a medicação reduzida por conta de efeitos colateriais
cardíacos e um terceiro sujeito apresentou uma crise convulsiva tônico-clônica
generalizada.
Inibidores Seletivos da Recaptação de Serotonina (ISRS) (ex: Prozac
)
Tem sido observado que o uso de ISRS em indivíduos com autismo ou foram
específicos para sintomas depressivos ou não incluíam crianças. Não há fortes
indicios para o uso de ISRS em sintomas de TDAH em jovens com TGD. Na
verdade, os ISRS podem, inclusive, exacerbar os sintomas de TDAH.

Ansiolíticos (ex: Rivotril)
Envolvem a família dos benzodiazepínicos e os agonistas não benzodiazepínicos.
Apresentam efeitos sedativos e calmantes rápidos, úteis na diminução da ansiedade
nos casos de insônia e agitação psicomotora aguda. São também utilizados como
anestésicos, anticonvulsivantes, no tratamento de sintomas extrapiramidais
(síndrome de parkinson e efeitos adversos dos antipsicóticos) e como relaxantes
musculares.
Os autores afirmam que "o levantamento bibliográfico sobre agentes ansiolíticos é
escasso e sem comprovação de eficácia. Também podem produzir efeitos colaterais
notáveis e levar a dependência, síndrome de abstinência e sintomas rebotes. Não há
estudos consistentes do uso dessas medicações em crianças com TGD e sintomas de
TDAH, visto que além de não causarem efeitos benéficos, podem agravar
impulsividade e hiperatividade (por resposta paradoxal)
". Podem piorar o padrão de
atenção e os déficits cognitivos .

Inibidores da colinesterase
Originalmente são substâncias utilizadas no tratamento de déficits cognitivos leves
a moderados da demência do tipo Alzheimer. Podem produzir uma pequena
melhora na memória e no pensamento objetivo. Para seu efeito adequado é
necessária a preservação suficiente de neurônios colinérgicos (responsaveis pela
resposta à medicação).
Donepezil (ex: Aricept)

Há poucos estudos sobre o efeito de donepezil em pessoas com TGD. Um estudo
retrospectivo sobre o uso de donepezil para tratar sintomas nucleares do autismo e
comportamentos disfuncionais demonstrou melhora. No entanto, "rigorosos
estudos exploratórios são necessários".
Galantamina (ex: Razadyne
)
Alguns estudos sugerem um efeito benéfico com o uso da galantamina para
tratarcomportamentos disfuncionais em crianças com TGD. No entanto, não houve
indicação de efeitos benéficos para sintomas de TDAH.
Rivastigmina (ex: Exelon
)
Segundo um estudo com 32 crianças com TGD, através do uso de rivastigmina ao
longo do tempo houve melhora significativa em relação à hiperatividade.

Bloqueadores dos receptores N-metil-D-aspartato
São utilizados no tratamento de sintomas extrapiramidais (acatisia -
inquietação, discinesia tardia - movimentos involuntários e repetitivos,
por exemplo) induzidos por agonistas dopaminérgicos (haloperidol). São

a medicação de escolha, apesar de não tão eficiente quanto os
anticolinérgicos, em populações mais idosas, pelo menor
comprometimeno da memória.
Hidrocloreto de Amantadina (ex: Mantindan
)
Um estudo realizado com 39 participantes com TGD entre cinco a dezenove anos,
com baixas doses de hidrocloreto de amantadina, demonstrou pouco efeito na
irritabilidade e hiperatividade segundo a escala de avaliação preenchida pelos pais,
apesar do relato de efeito significativo na hiperatividade segundo a escala do
investigador. Os autores concluíram que não há como definir o potencial de êxito
do hidrocloreto de amantadina no tratamento, devido à baixa dosagem (abaixo do
que recomendado) prescrita nesse estudo.
Memantina
Segundo alguns estudos levantados, o tratamento com memantina ainda é
experimental, e os resultados, contraditórios (foi observando tanto aumento
quanto diminuição da hiperatividade).

Estabilizadores do humor/antiepilépticos (ex:Carbolitium,
Trileptal
)
Grupo heterogêneo em relação às suas propriedades e efeitos adversos.
Originalmente, utilizados para tratamento de crises convulsivas e
síndromes epilépticas. Têm sido especialmente úteis no tratamento de
pessoas com transtorno afetivo bipolar e transtoros dolorosos. O uso
também é possível durante episódios de agitação, agressividade e
impulsividade. O uso da carbamazepina no tratamento do TDAH já foi
aventado, porém é meramente especulativo.
Ainda é obscuro o uso de estabilizadores de humor/antiepilépticos para
TDAH e TGD, em termos de estudos controlados (com metodologia
científica rigorosa). Há alguns estudos não-controlados com perspectivas
benéficas. O uso desses medicamentos para TDAH e TGD carece de
maior investigação.
Existem fortes evidências dos efeitos positivos com o uso dos psicoestimulantes e
agonistas noradrenérgicos nessa população. Em contrapartida, as evidências para
novos tipos de antidepressivos, ansiolíticos e estabilizadores do humor ainda são
fragéis.
Conclusão: Os autores lamentam o fato de que a maioria das pesquisas
relacionadas ao autismo não sejam rigorosas quanto à metodologia de
investigação, não permitindo conclusões mais exatas e consistentes. Há uma
necessidade urgente de mais estudos controlados. Assim, as informações relatadas
poderiam ter mais utilidade no tratamento/intervenção dos TGD e TDAH.
Leitura sugerida
Andrade, E. R. & Morais, R. M. C. B. In:Chei-Tung Teng & Demetrio, FN (eds).
Psicofarmacologia Aplicada: Manejo Prático dos Transtornos Mentais. 1a. edição.
São Paulo, SP. Atheneu. 2006:(8) 185-210.
Mercadante, M. T. & Scahill, L. In: Psicofarmacologia da criança: Um guia para
crianças, pais e profissionais. 1a. edição. São Paulo, SP. Click Books. 2005.

Source: http://ama.org.br/site/images/stories/Voceeaama/artigos/090305amedicacaoparafaltaart.pdf

4 supa-fix s coshh

COSHH SHEET C004.1 T H E F E N D E R B C S G R O U P O F C O M P A N I E S SUPA-FIX S MATERIAL SAFETY DATA SHEET 1 IDENTIFICATION OF THE SUBSTANCE/PREPARATION AND COMPANY/UNDERTAKING PRODUCT NAME Component of two part polyester resin based product 2 COMPOSITION/INFORMATION ON INGREDIENTS Name The Full Text for all R-Phrases are Displayed in Section 16COMPOSITION COMMENTSInert fill

Veröffentlichungen dr

Dermatologische Klinik: Jahresbericht 2002- 1 - Jahresbericht 2002 Dermatologische Klinik: Jahresbericht 2002- 2 - 1. Altmeyer P, Bacharach-Buhles M, unter Mitarbeit von Buhles N, Brockmeyer NH, Herde M, Hoffmann K, Scholz A, Schulz H, Stücker M, Williams S. Springer Enzyklopädie Dermatologie, Allergologie, Umweltmedizin. Berlin: Springer 20022. Bader A, Brockmeyer NH, Gölz J, Ja

Copyright © 2010-2014 Health Drug Pdf